Uma educadora responde: O meu filho vai para a creche e agora?

Pais, 

Deixar pela primeira vez um filho com pessoas não-familiares-por-enquanto é complicado. Nós sabemos disso e, apesar de muitas vezes não parecer, compreendemos que é um momento difícil na vossa vida. Mas vocês também devem saber que a separação é uma etapa importante no desenvolvimento dos bebés e que apesar do sofrimento é apenas uma etapa. 


Depois da licença de maternidade é muito comum as crianças irem para a creche. Esse tempo após o nascimento que passam com os pais serve também para criar vínculos afetivos que vão dar à criança as ferramentas necessárias para que a ausência dos pais não provoque a sensação de abandono. 

Visitem várias creches. E façam perguntas, todas as que acharem necessárias. Para além do óbvio, e neste caso estou a referir-me à limpeza e arrumação do espaço, à higiene das crianças e à alimentação, perguntem pelas rotinas, conheçam a educadora e a auxiliar, observem o espaço que será também do vosso filho. 
Vocês vão sofrer mais do que eles, mesmo que eles mostrem mais o que estão a sentir. Este é um desafio que tem de ser superado pois os bebés e crianças sentem o stress e ficam naturalmente mais angustiadas e agitadas. Devem tranquilizá-los, conversando com eles e calmamente e transmitindo confiança e calma... 

Eu acredito que o período de adaptação é muito imortante, mesmo que nem sempre os pais tenham a disponibilidade necessária. No primeiro dia começar por ficar com ele (pode ser a mãe, o pai, um avô)  durante um período da manhã na sala de forma a que ele esteja no novo espaço, com outros bebés/crianças mas com uma figura de referência.  Aos poucos e, preferencialmente entre 3 a 5 dias progredir o período de permanência na escola de forma a que os adultos da sala (educadora e auxiliar) passem a ser a referência aos poucos. 

Ter um elemento de transição também facilita a entrada para a creche. Os mais comuns são uma almofada, um boneco/peluche ou uma fraldinha/ó-ó e servem de elo entre um ambiente familiar (casa) e o novo ambiente (creche). 
Despedidas rápidas. É o melhor conselho depois da adaptação. A hesitação, entra-não-entra, fica-vai-embora, mais um abraço, mais um beijinho, um recado e ainda outro beijinho.Espera! Diz adeus à mãe (ou ao pai). Entretanto já não os vejo mas ainda os ouço no corredor, será que vão voltar?
Este 'jogo' é muito confuso para as crianças e acaba geralmente em choro. Se já têm como referência adultos ou crianças na escola, já conhecem a sala... um beijinho, bom dia, adeus, até logo e sair. Rápido como arrancar um penso.
Pode, e vai, custar ao início mas acredito que vale mais custar-lhe a si a rápida separação do que o sentimento de culpa ao deixá-lo triste depois de uma despedida demorada. Isto digo eu que já vi todo o tipo de despedidas e que mesmo com 1000000 dicas posso dizer que algumas crianças têm a necessidade de chorar um bocadinho no momento da despedida.
E como saber se a adaptação está a correr bem? Observar o comportamento dele. Aos poucos vai 'saltar' para o colo dos adultos, sorrir, vocalizar/falar. Pode também observar se ele brinca com os outros bebés/crianças. Geralmente as creches tiram fotografias das atividades tanto para exposição como para registo em caderno ou portfólio que é muito útil (e dá muito trabalho a fazer por isso apreciem, sim?). Isto porque muitas vezes eles são difíceis no momento de ficar na creche mas passados 2 minutos estão ótimos e não é nada com eles. 
Crie vínculo com a instituiçao, dependendo da disponibilidade, pergunte se fazem projetos com os pais, vá contar uma história ao seu filho e aos amiguinhos por exemplo... Eles vão ADORAR! Converse com os profissionais da sala, temos sempre momentos engraçados para relatar se sentirmos que os pais mostram interesse em ouvir.
 Também pode combinar playdates com os amigos da sala durante a tarde ou aos fins de semana. As crianças estabelecem um vínculo mais forte e sem ser apenas na escola e vai aproveitar para conhecer outros pais que, por incrivel que pareça, passam pelo mesmo que você e por isso não faltarão assuntos para conversar.
as imagens que não são da minha autoria vêm do banco de imagens pixabay.com
E não esquecer, todos os dias dedicar uns bons minutos ao seu filho. Com a correria, a rotina, as tarefas tudo se torna muito mecânico. Fale para o seu bebé, conte-lhe sobre o seu dia durante o banho, cante enquanto muda-lhe a fralda ou organiza o jantar, reforçe diariamente os laços,  faça-lhe uma massagem antes de dormir ou conte-lhe uma história e diga que o ama enquanto o enche de beijinhos.

Têm perguntas ou temas que gostavam de ver nesta rubrica? Aceitam-se sugestões.


2 comentários :

  1. Olá, adorei o post. Muiti esclarecedor.. Felizmente os meus filhos não foram para a creche, porque infelizmente,(nessa parte), nunca trabalhei fora. Mas quando forem para o jardim infância senti esse sentimento. De medo, insegurança,angústia, mas felizmente, eles se adoptaram muito bem!! Agora já estão crescidos, esperam-se outros desafios. Os da adolescência. 💗

    ResponderEliminar

Obrigada pela visita ❤
Respondo no próprio comentário ou no blog/ link assim que puder.

Dúvidas ou propostas flowersandlipsticks@gmail.com